True Crime: quando a ficção e a realidade andam lado a lado

Na tarde deste domingo (05/12), terceiro dia de Bienal do Livro Rio, os fãs da literatura sobre crimes aguardavam ansiosos seus ídolos, que foram recebidos com gritos e muitos aplausos. Os escritores Raphael Montes e Ivan Mizanzuk foram convidados para contar suas experiências com histórias de crimes baseados em fatos ou inspirados em personagens reais, conhecidos como true crime. Para conduzir o bate-papo, a mediação ficou por conta de Carol Moreira e Mabê Bonafé, do podcast Modus Operandi, um dos mais ouvidos do país.

Mas o que explica a atração de muitas pessoas por esse gênero? Para Raphael Montes, autor do livro “Bom dia, Verônica” (Darkside Books), o fascínio reside no interesse do público em saber que existe uma solução para cada crime cometido.

A partir da parceria com a criminóloga e escritora Ilana Casoy, Raphael passou a escrever para o gênero true crime: “Ilana me contava sobre um serial killer que sempre matava suas vítimas na frente da esposa. Depois contou sobre outro que guardava suas vítimas em caixas. Somamos a isso o ciclo completo da violência doméstica e assim nasceu ‘Bom dia, Verônica’. Eu sinto que sou um escritor melhor de ficção depois de conhecer a psicologia de personagens reais”, disse Raphael.

Para o delírio dos fãs presentes, o autor anunciou que a segunda temporada da série acabou de ser filmada e, em breve, será lançada pela plataforma de streaming Netflix.

Sobre os filmes “A menina que matou os pais” e “O menino que matou meus pais, ambos sobre o caso Von Richthofen, Raphael e Ilana firmaram a parceria como roteiristas de dramaturgia. “Todo mundo sabe o que aconteceu depois do crime, mas a pergunta que me atormentava era: o que levou ao crime? O que aconteceu para ter esse desfecho trágico? Assim decidimos contar as versões de cada um deles (Suzane e Daniel Cravinhos) até chegar ao momento que é de conhecimento de todos.”

Já Ivan Mizanzuk alcançou reconhecimento nacional com o “Caso Evandro”, quarta temporada do seu Projeto Humanos, podcast storytelling dedicado a contar histórias reais de pessoas reais. O trabalho de investigação de Ivan deu origem ao livro “O Caso Evandro: Sete acusados, duas polícias, o corpo e uma trama diabólica”, lançado em 2021 (Harlequina), que foi adaptado como série e lançado pela Globoplay também este ano. As investigações de Mizanzuk mudaram o desfecho da tragédia, trazendo novos fatos à tona. “É preciso ter muito cuidado e responsabilidade ao lidar com casos reais. Os pais do menino Evandro não quiseram me receber, porque, de certa forma, eu reabri a ferida, a dor daquela perda.”

Ivan contou que acabara de chegar de Altamira, interior do Pará, para participar da Bienal. Lá, ele investiga mais um caso aterrador: uma série de crimes ocorridos cujas vítimas eram meninos com idades entre 8 e 14 anos.