Dez livros para entrar no clima do Halloween

O Halloween, ou Dia das Bruxas, se aproxima. Para que os leitores entrem no clima macabro das comemorações deste próximo domingo (31), a Bienal 360º preparou uma lista com dez livros de suspense e terror — tanto clássicos, como O exorcista, Histórias extraordinárias e O bebê de Rosemary, quanto contemporâneos, como Caixa de pássaros, A mulher de preto e A noiva fantasma.

Complementam a seleta os romances A assombração da Casa da Colina e Geek Love, ambos escritos por mulheres no século 20. Já os representantes da literatura nacional, para fechar, são André Vianco, com Os sete, e uma obra escrita a oito mãos: Corpos secos, assinada por Luisa Geisler, Marcelo Ferroni, Natalia Borges Polesso e Samir Machado de Machado.

Quem sentiu falta do norte-americano Stephen King ou da inglesa Mary Shelley não precisa se preocupar. A Bienal 360º já publicou um guia de leitura para começar a entender a obra de King, o mestre do terror, e investigou as várias formas de Frankenstein na cultura pop.

Caixa de pássaros
Josh Malerman

Sandra Bullock em cena do filme Caixa de pássaros.

E se abrir os olhos fosse uma sentença de morte? Em um romance pós-apocalíptico, o autor norte-americano narra a luta de Malorie e seus dois filhos pela sobrevivência. Eles estão confinados em uma casa há quatro anos, desde que mortes inexplicáveis começaram arrasar o estado de Michigan, mas a situação começa a se tornar insustentável. O perigo se aproxima, e para tentar escapar é preciso não olhar para seja lá o que for essa energia sinistra que faz com que as pessoas se suicidem. Temendo pela segurança de seus pequenos, a mãe venda todos e parte em uma viagem de barco, na esperança de encontrar um local seguro. O livro foi adaptado para um filme homônimo da Netflix em 2018, com direção de Susanne Bier e Sandra Bullock no papel principal.

Caixa de pássaros
Josh Malerman
Trad.: Carolina Selvatici
Intrínseca
272 págs.

O exorcista
William Peter Blatty

Cena do filme O exorcista, com Regan (Linda Blair) levitando.

Clássico incontornável do terror, tanto na literatura quanto no cinema, a obra-prima do norte-americano mostra como o caos se instaura na casa dos MacNeil quando o demônio resolve possuir o corpo da pequena Regan, de 11 anos. A medicina convencional não dá conta de resolver o estranho comportamento da garota, no que a mãe — Chris — busca ajuda na Igreja. É assim que padre Damien Karras, ele mesmo estando com a fé em Deus abalada, entra em cena. O longa-metragem de 1973, dirigido por William Friedkin e com roteiro do próprio autor do romance, marcou toda uma geração por meio de cenas escatológicas e um trabalho sinistro de maquiagem, com destaque para a atuação de Linda Blair no papel de Regan.

O exorcista
William Peter Blatty
Trad.: Carolina Caires Coelho
HarperCollins
336 págs.

O bebê de Rosemary
Ira Levin

Mia Farrow no papel de Rosemary Woodhouse.

Em mais um romance que deu origem a um clássico do cinema de terror, Rosemary Woodhouse e seu marido, o ator Guy, tentam se estabelecer na cidade de Nova York. Quando conseguem uma boa casa em um bairro disputado, tudo parece correr bem. Os vizinhos — Roman e Minnie Castevet — são atenciosos, apesar de a protagonista desconfiar dos barulhos que eles fazem à noite. Depois que Rosemary engravida, no entanto, a presença dos Castvet vai se tornando mais sinistra. E coisas estranhas começam a acontecer — na realidade ou somente na mente da personagem? O livro foi adaptado para o cinema por Roman Polanski, em 1968, com Mia Farrow no papel principal.

O bebê de Rosemary
Ira Levin
Trad.: André Pereira da Costa
Amarilys
224 págs.

A assombração da Casa da Colina
Shirley Jackson

O mestre Stephen King considera este romance “a história de casa mal-assombrada mais próxima da perfeição” que ele já leu. Dá para ver, de início, que não é pouca coisa. Na narrativa, a solitária Eleanor, a artista Theodora e  Luke, herdeiro da mansão na qual se desenvolve a história, são convidados pelo dr. Montague a passarem um tempo na Casa da Colina — cercada por boatos de que nela vivem assombrações. Se tudo começa como uma brincadeira, a realidade perturbadora logo dá as caras e a sanidade de todos é posta à prova.

A assombração da Casa da Colina
Shirley Jackson
Trad.: Débora Landsberg
Alfaguara
200 págs.

Histórias extraordinárias
Edgar Allan Poe

Edgar Allan Poe, autor de Histórias extraordinárias.

Os contos do perturbado autor norte-americano, que teve uma vida tão sinistra quanto é seu trabalho ficcional, ocupam um espaço especial no imaginário popular. As histórias de Edgar Allan Poe (1809-1849), pioneiro em vários sentidos, costumam transmitir um pesado clima de tensão e suscitam reflexões existenciais. O leitor não precisa se preocupar com monstros “reais” nestas páginas, pois os demônios e fantasmas preferem habitar o interior dos personagens — como em “A queda da casa de Usher”, por exemplo, em que uma mansão decadente espelha o estado debilitado do protagonista, ou “Wiliam Wilson”, uma clássica narrativa sobre um homem e seu duplo capaz de ações atormentadoras.

Histórias extraordinárias
Edgar Allan Poe
Trad.: José Paulo Paes
Companhia das Letras
448 págs.

A noiva fantasma
Yangze Choo

Casar-se com o herdeiro de uma família abastada parece ser a solução para os problemas de Li Lan, uma jovem que assiste à derrocada financeira de sua família. O único detalhe é que seu futuro marido está morto. Neste romance de estreia, ambientado no final do século 19, o terror propriamente dito está mais ligado à tortura psicológica que abate a protagonista, sujeitada a uma ação que persiste até hoje em parte da cultura asiática: o de aceitar se casar com alguém que já se foi, para que a mulher tenha lar e estabilidade. “O estilo claro e encantador de Choo cria uma realidade alternativa onde as apostas são tão altas quanto no mundo real, combinando momentos de narrativa bem fundamenta com o sobrenatural”, escreveu a revista Publishers Weekly sobre a obra.

A noiva fantasma
Yangze Choo
Trad.: Leandro Durazzo
DarkSide
360 págs.

A mulher de preto
Susan Hill

Daniel Radcliffe interpreta Arthur Kipps.

Em um dos romances mais festejados da autora inglesa, o jovem advogado Arthur Kipps tem uma tarefa ingrata: ir ao funeral de Alice Drablow, sua melhor cliente, e organizar a papelada deixada para trás. O local onde tudo se passa não é dos melhores. A mulher morava sozinha na Casa do Brejo da Enguia, localizada nos pântanos da Passagem das Nove Vidas. Por essa descrição, é natural que o local seja evitado pelos moradores locais. Kipps, porém, tem um dever a cumprir — e a estadia nesse local sombrio, após ter tido estranhas sensações e visões durante o enterro de sua cliente, vai fazer com que ele descubra que a realidade pode ser mais estranha que a ficção. O livro foi adaptado para o cinema em 2012, com direção de James Watkins e Daniel Radcliffe no papel principal.

A mulher de preto
Susan Hill
Trad.: Flávio Souto Maior
Record
208 págs.

Corpos secos
Luisa Geisler, Marcelo Ferroni, Natalia Borges Polesso e Samir Machado de Machado

Quem imaginaria que o uso indevido de agrotóxicos poderia provocar reações inesperadas? No caso deste romance, escrito a oito mãos, as consequências são catastróficas. Após uma interação indesejável de um produto químico com as larvas que ele deveria dizimar, uma nova substância paira no ar do Brasil — e transforma pessoas em corpos secos, sem atividade cerebral, sedentas por sangue. Seis meses depois do primeiro caso, registrado no Mato Grosso do Sul, há um menino que parece ser a chave para a cura e vários outros personagens tentando se virar em meio ao clima apocalíptico, no que resta pouca esperança e a lei e o governo são mitos ultrapassado.

Corpos secos
Luisa Geisler, Marcelo Ferroni, Natalia Borges Polesso e Samir Machado de Machado
Alfaguara
192 págs.

Geek love
Katherine Dunn

Adorado por Neil Gaiman, Kurt Cobain, Flea e Terry Gilliam, este marco da cultura pop — lançado em 1989 — não teme soar grotesco. Na história, a família Binewski é responsável por um show itinerante. Como se o clássico freakshow não fosse bizarro o bastante, os Binewski resolvem utilizar substâncias tóxicas e radioativas para criar personagens que fogem às regras da realidade, como um rapaz com nadadeiras no lugar dos membros e outro que tem poderes telecinéticos. É por meio das andanças desse pessoal diferente, para dizer o mínimo, que a narrativa se desenvolve. “É uma combinação de palavras deliberadamente desajeitadas e bruscas, com um pé gordo firmemente plantado no cafona pegajoso ‘amor’ para dar aquele sabor melado”, anotou a própria autora sobre a obra, em prefácio escrito em 2014.

Geek love
Katherine Dunn
Trad.: Débora Isidoro
DarkSide
464 págs.

Os sete
André Vianco

O romance que colocou o autor paulistano sob os holofotes foi lançado de forma independente, em 2000, e já traz os elementos que o consagrariam na ficção mais voltada para o público jovem. Nesta reedição, publicada pela Aleph em 2016, o leitor conhece as consequências da negligência de um grupo de nadadores. Nos escombros de uma caravela portuguesa naufragada há uma caixa lacrada e uma recomendação de não abri-la. Os personagens contrariam o aviso e o desastre está anunciado. A partir daí, quando um dos sete corpos encontrados desperta, a narrativa envereda para o sobrenatural, com a presença de criaturas bastante presentes na prosa de Vianco: os vampiros.

Os sete
André Vianco
Aleph
432 págs.