Cinema e literatura: 2022 promete ser um ano de ótimas adaptações

Depois de sugerir filmes imperdíveis sobre autores marcantes e listar dez livros que renderam grandes longas-metragens, a Bienal 360o separou cinco títulos que devem chegar às plataformas de streaming e ao cinema em 2022. Narrativas de Joyce Carol Oates, Stephen King, Josh Malerman e Jane Austen estão entre as selecionadas.

Uma das adaptações, aliás, já está dando o que falar. A filha perdida, da enigmática Elena Ferrante, chegou ao catálogo da Netflix no último dia do ano passado e começa a receber boa atenção do público e crítica — o que não é grande surpresa, já que o roteiro de Maggie Gyllenhaal, também responsável pela direção, venceu o Festival de Veneza 2021.

A filha perdida

Dakota Johnson na adaptação de A filha perdida.

Não é de hoje que a enigmática autora Elena Ferrante caiu nas graças do público brasileiro. Agora, para aumentar ainda mais esse hype, um de seus livros mais famosos acaba de ser adaptado para um filme da Netflix — com roteiro e direção de Maggie Gyllenhaal, Olivia Colman como Leda e Dakota Johnson no papel da jovem mãe Nina. Na história, Leda resolve passar férias no litoral da Itália após suas duas filhas se mudarem para o Canadá. Em um ambiente que deveria ser paradisíaco, acaba entrando em contato com seus próprios demônios ao acompanhar Nina exercer o papel de mãe. De acordo com a revista The New Yorker, trata-se de “um romance brutalmente sincero sobre a ambivalência da maternidade”.

A filha perdida
Elena Ferrante
Trad.: Marcello Lino
Intrínseca
176 págs.

Blonde

Um filme sobre a atribulada vida de Norma Jeane Baker, a Marilyn Monroe, só poderia ser tão polêmico quanto o fora a trajetória de uma das atrizes que melhor sintetizou o poder destruidor, e hipnótico, de Hollywood. O longa-metragem, dirigido por Andrew Dominik e com Ana de Armas no papel de Marilyn, é baseado na biografia romanceada que Joyce Carol Oates escreveu sobre uma das maiores estrelas do cinema e ainda não tem data de estreia. O trabalho de Joyce, publicado no Brasil em dois volumes, não dá brechas para a glamorização ao mostrar como a fama precoce e os mitos criados pela bilionária indústria que rege a sétima arte não são tão legais quanto parecem. 

Blonde, vol. 1
Joyce Carol Oates
Trad.: Luisa Geisler
HarperCollins
400 págs.

Blonde, vol. 2
Joyce Carol Oates
Trad.: Luisa Geisler
HarperCollins
416 págs.

Malorie

Em 2018, Bird Box se tornou um dos filmes mais populares da Netflix, com Sandra Bullock no papel de uma mãe que precisa manter seus filhos a salvo, custe o que custar, após o mundo ser devastado por um surto bizarro. Agora, em 2022, o longa ganha uma continuação. Malorie é baseado novamente em um livro de Josh Malerman, que participou da Bienal do Livro em 2021, e acompanha a personagem-título, interpretada por Bullock no primeiro filme, 12 anos depois. Apesar de tudo correr bem na espécie de oásis que mãe e filho encontraram, no qual devem seguir regras rígidas em prol do bem de todos, estranhas notícias começam a correr pelo paraíso artificial. Talvez tenham mais pessoas vivas. Talvez tenham conseguido capturar um dos monstros que não podem ser vistos. O que Malorie vai fazer?

Malorie
Josh Malerman
Trad.: Alexandre Raposo
Intrínseca
288 págs.

A incendiária

Ryan Kiera Armstrong na adaptação de A incendiária.

O mestre do terror, Stephen King, já está habituado com adaptações de seus livros para o cinema, que costumam cair nas graças do público. Já em pós-produção, o romance A incendiária chega às telas com direção de Keith Thomas e a jovem atriz Ryan Kiera Armstrong no papel principal, o de Charlie McGuee. Na história, um casal — interpretado por Zac Efron e Sydney Lemmon — se submetem, quando universitários, a um experimento científico comandado pelo governo. Anos depois, a filha deles nasce com um poder especial (pirotecnia) e acaba sendo caçada por aqueles mesmos que promoveram os experimentos.

A incendiária
Stephen King
Trad.: Regiane Winarski
Suma
450 págs.

Persuasão

Tentar superar convenções sociais em busca da felicidade é uma constante para as personagens femininas de Jane Austen. Nesta adaptação do romance Persuasão, dirigida por Carrie Cracknell e com Dakota Johnson no papel de Anne Elliot, a coisa não é diferente. Filha de um vaidoso e esnobe baronete, Anne se apaixona por Frederick Wentworth, um rapaz que, apesar da inteligência e ambição, não tem grandes conexões no mundo de aparência da sociedade inglesa do século 19 — o que basta para ele não ser bem-vindo na família Elliot, deixando o coração de Anne arrasado. Oito anos depois, o jovem volta mais experiente e com dinheiro. É o bastante para ele ser aceito?

Persuasão
Jane Austen
Trad.: Fernanda Abreu
Zahar
368 págs.