A vida dos escritores: filmes imperdíveis sobre autores marcantes

A vida de escritores, muitas vezes, também dá um livro. E, em alguns casos, excelentes filmes. Truman Capote, Virginia Woolf e Mary Shelley que o digam. Suas trajetórias foram tão densas e cheias de lances interessantes que não poderiam passar despercebidas pela sensibilidade do cinema.

Separamos cinco filmes imperdíveis para quem ama literatura e se interessa pela vida de escritores geniais. 

Capote
Bennett Miller

O filme de Bennett Miller mistura a história narrada em A sangue frio, livro de maior sucesso de Truman Capote, com a própria trajetória do escritor americano. Capote se tornou uma estrela literária após publicar A sangue frio, que assombrou crítica e público por misturar prosa de ficção com técnicas do jornalismo. Em novembro de 1959, o autor fica impressionado ao ler um artigo do jornal The New York Times sobre o assassinato de quatro integrantes de uma conhecida família de fazendeiros em Holcomb, no Kansas. Acompanhado pela escritora Harper Lee (Catherine Keener), sua amiga de infância, Capote viaja até a cidade para investigar o crime. É quando a personalidade do escritor rouba a cena, no filme, em uma atuação brilhante de Philip Seymour Hoffman, que venceu o Oscar de melhor ator pela interpretação. Ele dá vida a um personagem efeminado, culto e cheio de si. O filme, baseado na biografia escrita por Gerald Clarke, é uma ótima oportunidade para conhecer um livro e autor brilhantes.

Capote: Uma biografia
Gerald Clarke
Trad.: Lya Luft
Globo Livros
536 págs.

As horas
Stephen Daldry

Virginia Woolf, autora de Mrs. Dalloway.

O romance Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf, e a própria escritora, permeiam toda a narrativa de As horas, ainda que o filme tenha outras personagens e não trate diretamente da biografia de Virginia. Mas o longa é impregnado pelo fluxo de consciência do romance. A ação se passa durante o período de um único dia em três anos diferentes, que se alternam ao longo da narrativa. Em 1923, Virginia começa a escrever Mrs. Dalloway em sua casa na cidade de Richmond, no interior da Inglaterra. Em 1951, a dona de casa Laura Brown vê na leitura do livro de Virginiauma oportunidade para escapar da rotina modorrenta que leva com o marido. E em 2001, a nova-iorquina Clarissa Vaughn personifica a personagem-título do romance ao passar o dia preparando uma festa. O longa é baseado no livro de mesmo nome de Michael Cunningham, que venceu o Prêmio Pulitzer de ficção em 1998.

Mrs. Dalloway
Virginia Woolf
Trad.: Claudio Alves Marcondes
Penguin-Companhia
328 págs.

Mary Shelley
Haifaa al-Mansour

Elle Fanning interpreta Mary Shelley.

A inglesa Mary Shelley teve uma vida cheia de lances curiosos. Ela simplesmente escreveu um dos maiores livros de todos os tempos quando tinha apenas 18 anos. Frankenstein ou o Prometeu moderno permanece um fenômeno quase dois séculos após ser publicado. É isso, em parte, que trata o filme Mary Shelley, dirigido pela saudita Haifaa al-Mansour e escrito por Emma Jensen. Como pano de fundo, há o relacionamento de Mary com o poeta Percy Shelley, fundamental para que ela escrevesse Frankenstein. O romance nasceu de uma provocação do poeta Lord Byron, quando um grupo de amigos se hospedava em uma casa no lago de Genebra. “Cada um de nós vai escrever um história de terror”, propôs o escritor. Mary levou a sério e deu no que deu. O filme também tem um lado político, pois retrata o preconceito que a autora teve que superar por ser mulher e artista em uma sociedade altamente machista.

Frankenstein ou o Prometeu moderno
Mary Shelley
Trad.: Christian Schwartz
Penguin-Companhia
417 págs.

On the road
Walter Salles

O romance On the road, publicado em 1957 por Jack Kerouac, tornou-se um clássico moderno quase instantaneamente. A primeira crítica que recebeu do The York Times, assinada por Gilbert Millstein, dizia que sua publicação era “um evento histórico”. Pois bem, o livro realmente virou um clássico e por décadas foi cobiçado por Hollywood. Francis Ford Coppola comprou os direitos de filmagem do livro, mas o projeto ficou “parado” por mais de 30 anos, até que o brasileiro Walter Salles concluiu a adaptação, que no Brasil se chamou Na estrada. Finalmente a história ganhava as telonas, com Jack Kerouac e Neal Cassady (que no romance aparecem, respectivamente, com os nomes de Sal Paradise e Dean Moriarty) empreendendo a viagem que todos os jovens um dia sonharam em fazer, repleta de garotas, bebidas e, acima de tudo, liberdade.

On the road
Jack Kerouac
Trad.: Eduardo Bueno
L&PM
384 págs.

Pergunte ao pó
Robert Towne

Salma Hayek interpreta Camila Lopes.

Outro livro cult que durante décadas ficou aguardando por uma adaptação cinematográfica foi Pergunte ao pó, do americano John Fante, o herói literário de autores como Charles Bukowski. O filme estreou em 2006, com direção de Robert Towne, com Colin Farrell no papel do escritor Arturo Bandini, o alter ego de Fante, que protagoniza vários de seus livros. Bandini é um autor fracassado buscando escrever um romance épico, que servirá de trampolim para uma vida de sucesso na literatura. Mas no meio do caminho havia uma garçonete mexicana chamada Camila Lopes, vivida por Salma Hayek. Ela vai mostrar a Bandini que nem só de literatura vive um homem e que há outros sonhos a serem vividos também. Para muitos leitores, o filme ficou demasiadamente aquém do livro, mas é uma boa oportunidade para ver o hilário e dramático Bandini encarnado no cinema.

Pergunte ao pó
John Fante
Trad.: Roberto Muggiati
José Olympio
208 págs.