A força de Star Wars

Há muito, muito tempo, no planeta Terra, o diretor George Lucas lançou um longa-metragem que mudaria a forma de se fazer cinema. Star Wars, de 1977, desdobrou-se em uma franquia multibilionária — celebrada de maneira informal em 4 de maio, hoje, o Dia de Star Wars (ou Star Wars Day, no original).

A data, instituída por fãs e reconhecida por Lucas, nasceu de um trocadilho — só funciona em inglês feito a partir de uma das frases mais icônicas de toda franquia: “may the force be with you” (“que a força esteja com você”), transformada em “may the 4th be with you” devido às semelhanças na pronúncia.

Aproveitando o clima festivo, a Disney+ lançou hoje o primeiro episódio da série animada The bad batch, spin-off esequência da saga The clone wars (2008-2020). A nova produção, criada por Dave Filoni, se passa em um momento delicado: a transição da Velha República para o Império Galáctico, acompanhando cinco clone troopers que têm habilidades especiais e não são muito afeitos às ordens.

Darth Vader no primeiro filme de Star Wars.

Longa jornada

Nas mais de quatro décadas desde que a franquia teve início, Star Wars saiu das telonas para se tornar uma marca de enorme sucesso.

A Lucasfilms, por exemplo, produtora que George Lucas criou em 1971, foi vendida para a Disney por US$ 4 bilhões há dez anos. “É tempo de passar Star Wars para uma nova geração de cineastas”, afirmou o diretor à época.

Essa quantia astronômica de dinheiro, no entanto, nem era sonhada no início da jornada — contada, em detalhes, no documentário Império dos Sonhos: A história da trilogia Star Wars (2004). “Eu realmente não esperava que o filme se tornasse um sucesso estrondoso”, comentou Lucas a respeito do primeiro de 12 longas-metragens, que do lançamento, na década de 1970, até hoje, lucrou mais de US$ 775 milhões (segundo informações do IMDb).

No episódio V, Darth Vader e Luke Skywalker se enfrentam.

Luke e Darth Vader

Em Star Wars: uma nova esperança, que é cronologicamente o quarto episódio da trama, mas o primeiro a ser lançado, o espectador é apresentado a algumas das figuras centrais do universo de George Lucas.

No longa, indicado a dez categorias do Oscar de 1978, o jovem Luke Skywalker (Mark Hamill) conhece o experiente mestre Jedi Obi-Wan Kenobi (Alec Guiness) e acaba envolvido na Aliança Rebelde — cuja líder, a Princesa Leia (Carrie Fisher), foi capturada por Darth Vader, um dos vilões mais famosos da sétima arte.

Dois anos depois, O Império contra-ataca (Episódio V) acompanha as evoluções de Luke enquanto Jedi, que passa a treinar com o Mestre Yoda (voz de Frank Oz), e dá destaque para o personagem de Vader (voz de James Earl Jones), famoso por sua fala grave e obstruída pelo capacete preto.

Darth Maul é o vilão do episódio I.

Reviravoltas

O desfecho do longa talvez seja um dos spoilers mais difundidos nas redes sociais, motivo de inúmeros memes: quando Luke descobre que Vader é seu pai — Anakin Skywalker, treinado por Obi-Wan Kenobi antes de se render às forças do mal e se transformar em uma das principais figuras do Império.

Na conclusão da trilogia, em 1983, O retorno de Jedi (Episódio VI), o Imperador Palpatine (Clive Revill) está construindo mais uma Estrela da Morte — uma gigantesca estação espacial capaz de destruir planetas com sua potência — para tentar, finalmente, acabar com o rebeldes da Aliança.

Por outro lado, os rebeldes estão organizando um ataque à Estrela e o destino acaba selado: Luke se bate com Anakin, ou Darth Vader, e o vilão acaba tomando uma decisão impressionante de última hora. A paz volta a reinar na galáxia.

Trilogia Prequel

Retomada mais de 25 anos depois, Star Wars lançou uma trilogia — chamada, em inglês, de Prequel Trilogy — para recapitular os acontecimentos antes do primeiro filme da saga.

A ameaça fantasma (Episódio I) narra a juventude de Anakin Skywalker, interpretado por Jake Lloyd, um jovem escravo do planeta Tatooine que tem uma Força — espécie de pulsão metafísica emanada por todos os seres vivos e que dá poderes aos Jedi — excepcional.

Após se libertar de sua condição inicial, Anakin vai para Naboo com Obi-Wan Kenobi (Ewan McGregor), um padawan — Jedi em treinamento — à época, e todo o sofrimento da galáxia tem início: os Siths estão voltando, e o primeiro adversário é Darth Maul (Ray Park).

Mestre Yoda é um dos principais personagens da série.

Guerras e transformações

No filme de 2002, Ataque dos clones (Episódio II), Anakin é agora um padawan de 20 anos e a galáxia está prestes a entrar em guerra — encabeçada por um Jedi desertor, o Conde Dookan (Christopher Lee).

Uma das ações do vilão é tentar matar a Padmé Amidala (Natalie Portman), ex-rainha de Naboo e atual senadora do mesmo local. Quando é incumbido de protegê-la, Anakin conhece o amor — em compensação, a força maligna que irá fazê-lo Darth Vader começa a despertar.

O último filme da série clássica, lançado em 2005, não tem final feliz. A vingança dos Sith (Episódio III), continuação direta do longa anterior, traz os desdobramentos das Guerras Clônicas — que não irão impedir de a República cair e o Império Galáctico ser instaurado.

A esperança para a galáxia, por mais que o mal tenha prevalecido e os Jedi tenham precisado se esconder, são os filhos gêmeos de Anakin. Luke, personagem central do primeiro filme da saga, é um deles.

Kylo Ren e Rey, antagonistas na mais recente trilogia de Star Wars.

Produções recentes

Como tudo que angaria uma legião de fãs, as duas trilogias de Star Wars geram discussões de toda sorte — desde a qualidade dos filmes até a maneira “correta” de assisti-los, se na ordem em que foram lançados ou de maneira que a história do percurso de Anakin Skywalker até ele se tornar Darth Vader seja privilegiada.

Na internet, encontra-se sugestões como a Machete Order. Para o criador, Rod Hilton, deve-se assistir nesta ordem dos episódios feitos antes da Lucasfilm ser vendida para a Disney: IV, V, II, III, VI. Assim mesmo, descartando o episódio I, pois não parece ser necessário dada a proposta da sugestão: privilegiar a jornada de Luke.

Além desses filmes, frutos diretos de George Lucas, existe a trilogia mais recente de Star Wars — com Adam Driver no papel do vilão Kylo Ren/Ben Solo e Daisy Ridley como Rey, uma menina sensível à Força. Os títulos são O despertar da força (2015), dirigido por J. J. Abrams, Os últimos Jedi (2017), de Rian Johnson, e A ascensão Skywalker (2019), novamente pelas mãos de Abrams.

Completam a saga dois longas que fazem parte do mesmo universo cinematográfico: Rogue one (2016), cujos acontecimentos são decisivos para os rumos do Episódio IV, e Han Solo (2018), que mostra como o querido piloto da nave Millennium Falcon conheceu seu braço direito, o Chewbacca.

Todos os filmes

A ameaça fantasma (Episódio I)
Ataque dos clones (II)
A vingança dos Sith (III)
Han Solo
Rogue One
Uma nova esperança (IV)
O Império contra-ataca (V)
O retorno de Jedi (VI)
O despertar da força (VII)
Os últimos Jedi (VIII)
A ascensão Skywalker (IX)