A espetacular estreia de Sarah Haywood na literatura

A inglesa Sarah Haywood conseguiu realizar, já com seu livro de estreia, o sonho de muito escritor. O romance Susan não quer saber do amor se tornou best-seller do The New York Times, está sendo traduzido em mais de 25 países e chamou a atenção da atriz Reese Witherspoon, que escolheu a obra para seu clube de leitura, o “Hello Sunshine”, e vai protagonizar uma adaptação do livro para a Netflix (sem data de estreia definida).

Na história, Susan tem 45 anos e leva a vida de um jeito que não deixa dúvidas para seus amigos e familiares: ela é uma pessoa difícil de lidar. A protagonista, no entanto, não parece se preocupar muito com isso. Apaixonada pela lógica, trabalha como analista de dados e tem uma queda por manter o controle de tudo — de sua vida interior, principalmente.

O primeiro passo para manter essa ilusão foi não exercer a advocacia, sua formação original. Satisfeita com seu apartamento pequeno mas funcional, em Londres, Susan mantém um relacionamento sem sentimentos reais há anos, o que funciona perfeitamente para seus propósitos de cultivar uma existência friamente calculada. Até que algumas coisas inesperadas acontecem. 

Sarah Haywood com um exemplar de seu livro. Foto: Reprodução/Instagram

Conheça Sarah Haywood

  • Nasceu em Birmingham, na Inglaterra
  • Formou-se em Direito e exerceu a profissão por algum tempo
  • Publicou seu primeiro livro, Susan não quer saber do amor, após completar um mestrado em Escrita Criativa
  • O romance está sendo traduzido em mais 25 países e vai virar filme da Netfllix, com Reese Witherspoon no papel principal
  • Mora em Liverpool com o marido, dois filhos e dois gatos
  • Quando não está escrevendo, gosta de ler e praticar hiking
  • Está trabalhando em seu segundo romance
  • Mantém um site oficial

Choque de realidade

Após décadas tentando manter o controle de seu destino, Susan toma um baita choque de realidade: de uma só vez, sua mãe morre e ela descobre que está grávida. Ter um filho jamais tinha passado por sua cabeça.

Para piorar, o testamento da falecida diz que a casa da família deve ficar com um irmão que a protagonista considera irresponsável. Em meio a essa nova e caótica realidade, seu simulacro de vida cuidadosamente organizado vai por água abaixo — e um estranho aliado, nunca antes imaginado, entra em cena.

O que parece ficar da narrativa é a sensação de que a vida não precisa ser monótona. A coisa toda pode virar de ponta-cabeça quando se menos espera, e não necessariamente para pior. Não à toa, a obra vem sendo considerada um “respiro” por trazer uma protagonista complexa e já não tão jovem. Uma personagem mais próxima da realidade, afinal.  

A atriz Reese Witherspoon com um exemplar do livro de Sarah Haywood.

Por trás da personagem

Todas as neuroses da personagem são uma forma de simbolizar, de acordo com Sarah Haywood, a pressão à qual as mulheres são submetidas. Em uma sociedade que normalizou o acúmulo de tarefas, e parece funcionar em um ritmo mental que convida ao colapso, a escolha de Susan é por sua carreira profissional. Isso faz dela uma pessoa ruim?

Nem tudo são flores, é claro, e não é como se ela própria estivesse contente com os rumos de sua vida — ou pode até estar, ou se esforçar verdadeiramente para parecer que está, até que os acontecimentos já mencionados lhe roubam o suposto controle. Para alguém que tentou levar a vida na rédea curta, nada pior.

O fato de Reese Witherspoon, famosa por seus filmes de comédia romântica, ter se encantado com a obra mostra que a narrativa ainda vai longe — e tem o potencial tanto de encantar quanto de fazer refletir. “Eu me peguei rindo alto do temperamento venenoso da Susan”, informa um blurb, assinado por Witherspoon, no site oficial da autora.

Compre o livro na loja Bienal Rio

Susan não quer saber do amor
Sarah Haywood
Trad.: Ana Rodrigues
Intrínseca
336 págs.