4 curiosidades sobre Assassin’s Creed

Se você gosta de acompanhar o universo de games, já deve ter se deparado com a série de jogos Assassin’s Creed e sua infinidade de histórias que remetem sempre ao Clã dos Assassinos.

A franquia garantiu seu sucesso através de elementos atraentes para os mais diferentes públicos, do fã de fatos históricos ao aficionado em jogos de ação e combate e tornou-se um incrível exemplo de cross-media ao gerar conteúdos em diversos meios.

Conheça algumas curiosidades sobre Assassin’s Creed e como os jogos têm tudo a ver com literatura.

Premissas do jogo

Para entender melhor o sucesso, é preciso entender alguns detalhes das principais premissas do jogo. O primeiro deles, Assassin’s Creed, foi lançado em 2007 e nos coloca na pele do personagem Desmond Miles, um simples garçom que acaba sequestrado por uma grande instituição, a Abstergo.

O motivo? Miles é o último descendente vivo da linhagem do Clã dos assassinos e, com a ajuda de um equipamento chamado Animus, a Abstergo é capaz de acessar memórias genéticas dos antepassados de Miles.

Ao colocar Miles em uma simulação eletrônica em que ele está na pele de um de seus ascendentes assassinos, a Abstergo espera encontrar um artefato há muito tempo perdido e cuja localização é conhecida somente por esse ascendente. Além disso, sabe-se que o Clã dos Assassinos possui como grande inimiga a Ordem Templária, com a qual sempre estiveram em guerra pelo poder de controlar o mundo.

Curiosidades sobre a franquia Assassin’s Creed

Como deu para perceber, a franquia Assassin’s Creed se conectou à história da humanidade para desenvolver narrativas atraentes e os livros são uma ótima maneira de entender a fundo a história do Clã dos Assassinos.

Porém, há algumas curiosidades que nem todo fã da franquia conhece. Vamos saber mais?

Assassin’s Creed – Revelações.

Assassin’s Creed é baseado em um livro

A série de jogos também se desdobrou para a literatura, mas você sabia que toda essa história começou de um livro?

O livro Alamut de Vladimir Bartol conta a história de um Clã de assassinos no Irã do século IX e é baseada em fatos reais. Apesar de se saber pouco sobre eles, o Clã realmente existiu e foi liderado pelo assassino Hassan.

Alamut foi um lugar real, a fortaleza desse Clã, destruído por ataques do exército mongol na região que tornaram impossível a restituição da história real e Bartol “reviveu” a narrativa através da ficção.

Aliás, o célebre lema dos assassinos no jogo, “Nada é verdade, tudo é permitido”, surge no livro Alamut e é atribuída ao assassino Hassan.

O jogo conta com sua própria série de livros

Que a franquia Assassin’s Creed é um sucesso no Brasil e no mundo é inegável. Até 2019, ela havia vendido mais de 140 milhões de cópias em todo o mundo e 95 milhões de jogadores únicos. O que muitos fãs não sabem é que a série de jogos também conta com sua própria série de livros.

Elaborados pelo historiador britânico Oliver Bowden, os livros funcionam como um guia e um complemento às histórias do jogo, trazendo descrições mais completas da narrativa e dando mais detalhes sobre o momento histórico vivido.

Para quem é fã da série de jogos ou mesmo para quem nunca jogou e gostaria de entender melhor a história da eterna rivalidade entre o Clã dos Assassinos e da Ordem dos Templários, ler os livros é uma ótima pedida.

Personagens reais no universo de Assassin’s Creed

Talvez você já saiba que a franquia mistura fatos históricos reais com o universo da ficção. Porém, uma curiosidade bastante interessante é que também temos personagens da vida real participando da história.

Por exemplo, o assassino Ezio Auditore, personagem central da trama dos livros Assassin’s Creed: Revelações, Assassin’s Creed: Renascença e Assassin’s Creed: Irmandade, se depara com grandes nomes que conhecemos bem, como Leonardo da Vinci e Nicolau Maquiavel, além de Rodrigo Bórgia e a família Médici, que governou a cidade de Florença por muito tempo à época do Renascimento.

Aliás, esses personagens estão lá ativamente e, muitas vezes, figuram entre os principais aliados ou inimigos do Clã dos Assassinos. Já tentou imaginar como seria Leonardo da Vinci? Os livros (e também os jogos) tentam retratar isso dando a ele uma personalidade cativante.

A sequência de livros de Assassin’s Creed

Os livros de Assassin’s Creed têm sido lançados no Brasil pela editora Galera Record. Não há uma ordem cronológica exata para a leitura dos livros, uma vez que as narrativas, assim como os jogos, “passeiam” pela história: podemos estar vivendo no século XVIII em um jogo e, no próximo, estar na Grécia Antiga.

Alguns livros se interligam em sequência por contar a história de um mesmo personagem e, por isso, foram lançados em ordem cronológica no Brasil, todos de autoria de Oliver Bowden. Confira:

Assassin’s Creed Renascença (2009);

Assassin’s Creed Irmandade (2010);

Assassin’s Creed A Cruzada Secreta (2011);

Assassin’s Creed Revelações (2011);

Assassin’s Creed Renegado (2012);

Assassin’s Creed Bandeira Negra (2013);

Assassin’s Creed Unity (2014);

Assassin’s Creed Submundo (2015);

Assassin’s Creed Origins: Juramento do Deserto (2017).

Assassin’s Creed – Submundo.


Há, ainda, uma série de livros com histórias originais de outros assassinos escritos pela autora Christie Golden que, inclusive, fez a novelização do roteiro original do filme de Assassin’s Creed. Até agora, no Brasil, foram lançados Assassin’s Creed e Assassin’s Creed Heresia.

Não há uma previsão de encerramento do lançamento de novos livros, uma vez que a maior parte deles se baseiam nos jogos. Por isso, enquanto ainda houver lançamentos da franquia, poderá haver novos livros.

Uma releitura de fatos históricos

Ao longo dos livros (e jogos), nos encontramos em diversos locais do mundo e da história. Por exemplo, enquanto o livro Assassin’s Creed: Renascença conta a história de Ezio Auditore durante a Renascença italiana, nos século XV e XVI, o livro Assassin’s Creed: A cruzada secreta vai um pouco mais para trás e remete ao primeiro jogo, contando a história do assassino Altaïr durante a Terceira Cruzada (séc. XII).

Assassin’s Creed – Renascença.

Em outros momentos, estamos com personagens que viveram grandes momentos históricos, como a Revolução Americana, Revolução Francesa, as Grandes Navegações, o Império Mongol de Genghis Khan e muitos outros.

Muitas vezes, inclusive, o Clã dos Assassinos são parte importante do fato histórico retratado, criando uma releitura única da narrativa histórica.
Deu para ver o quanto os jogos de Assassin’s Creed acabam tendo uma relação íntima e totalmente diferente com a literatura, não é? Compartilhe o post com aquele seu amigo viciado na franquia!